Nosso website utiliza cookies para tornar a sua visita mais eficiente. Sem eles algumas áreas como menus, blocos ou slideshows não poderão ser exibidas.

"Amadas, amantes"...

De acordo com as estatísticas da tal revista, há mulheres que procuram com relativa freqüência relacionamentos nos quais elas estão incapacitadas de vivenciá-los integralmente, seja como esposa, companheira ou namorada oficial, preferindo assim este tipo de envolvimento, onde os encontros são momentos de paixão e até mesmo de amizade, mas se restringem ao secreto, ao proibido. Poucas mulheres sabem desempenhar o papel de amantes vivenciando o relacionamento  em tudo que ele tem de melhor: nada de afazeres domésticos, nem marido chato reclamando dos gastos, do chefe, dos vizinhos, da sogra, enfim, o básico da rotina da maioria dos casais e até aí tudo legal, é só prazer e alegria!

O lance se torna incômodo nos momentos festivos, onde a família tem prioridade e é aqui que toda a coisa passa por um filtro na cabeça dos envolvidos: vale a pena? Será que toda amante tem prazer alternativo com os amigos e familiares, sabendo que naquele momento o amado está cumprindo as regras conjugais e familiares?

Ser a outra exige, no mínimo, o famoso "sangue de barata" e muita autoconfiança, ao meu ver. Talvez a mulher européia seja menos arraigada a valores morais e sociais do que as latinas, mas tudo pode ser relativo.

Tive uma amiga que teve um caso com o chefe, entrou para valer na estória e falava horrores da mulher dele. A esposa traída era a bruxa, para citar um dos adjetivos menos desagradáveis, quando o cara não tinha mais tempo ainda pra passar com ela... O romance deles durou quase uma década, mas o casamento sobreviveu a tudo isto e inclusive a uma outra amante que apareceu depois dela...

Também já sofri por saber que meu ex-companheiro teve uma amante, ou mais de uma, é um chute na auto-estima da gente, mas olhando por outro lado, não tenho nada contra esta figura, contra este papel, desculpem o lugar comum, mas cada qual com a sua consciência.

Eu pessoalmente não teria nervos para ser a outra... Confesso que já fui tentada algumas vezes e embora já tenha visto muitas “filiais” se tornarem “matrizes”, eu não saberia encarar o romance no anonimato por conta da existência de uma outra pessoa, meu ego não suportaria.

Entretanto, apesar desta minha incapacidade, tento não condenar ninguém que se adeque a tal situação. Encontrar o tal príncipe, sempre significará sorte de algumas e azar para outras, o que me faz lembrar uma frase genial, de autoria desconhecida, lida em algum lugar na internet, que me arrancou gargalhadas verdadeiramente terapêuticas: "O amor é como capim, você planta, ele cresce, ai vem uma vaca e come tudo". Ou seja, para concluir: em todas nós mulheres existem, no que tange a esta situação, dois perfis: a tal triste jardineira e a feliz vaca. Portanto, divirtam- enquanto possível, queridas, porque no amor e na guerra parece mesmo que vale tudo...


Copyright: Claudia Sampaio
Foto: Claudia Sampaio
Reprodução ou tradução: entre em contato com nosso portal.

A divulgação do LINK para este artigo está liberada.

Os temas e opiniões publicados nesta coluna são de responsabilidade da autora, não refletindo necessáriamente a opinião do portal Brasileiros-na-Alemanha.com


You have no rights to post comments

Top